O segredo da longevidade também está em vivermos uma vida leve e feliz. Pessoas felizes são mais saudáveis e vivem mais! Sua saúde não depende apenas do que você come, dos perigos que você evita ou da quantidade de exercícios que você faz, mas também do bem estar emocional que você cultiva ao longo da sua vida. Não sou eu que estou dizendo, é essa pesquisa científica aqui.

“Resumo: Um novo estudo revela que o bem-estar subjetivo pode influenciar a saúde física.

Uma nova revisão indica que os fatores de bem-estar subjetivos, como a satisfação e o gozo da vida, podem influenciar a saúde física. Os pesquisadores da revisão também examinam por que isso acontece e as condições onde é mais provável que ocorra.

O bem-estar subjetivo pode exercer seus efeitos na saúde física através de comportamentos de saúde, bem como através dos sistemas imunológico e cardiovascular. Embora os cientistas ainda estejam explorando e debatendo quando a felicidade afeta a saúde, não há dúvida de que pode fazê-lo.

Com mais pesquisas, um dia pode ser informativo para os clínicos monitorarem o bem-estar subjetivo dos indivíduos, assim como outros fatores são avaliados atualmente. Os indivíduos também devem assumir a responsabilidade pela saúde, desenvolvendo hábitos mentais felizes.

“Nós agora temos que levar muito a sério a descoberta de que as pessoas felizes são mais saudáveis ​​e vivem mais, e essa infelicidade crônica pode ser uma verdadeira ameaça para a saúde. Os sentimentos de bem-estar das pessoas se juntam a outros fatores conhecidos para a saúde, como não fumar e fazer exercício “, disse o Prof. Ed Diener, co-autor do artigo de Psicologia Aplicada: Saúde e Bem-estar. “Vários estudos mostram que nossos níveis de felicidade versus estresse e depressão podem influenciar a nossa saúde cardiovascular, a força do nosso sistema imunológico para combater doenças e nossa capacidade de curar ferimentos”.

Fonte original: pesquisa de acesso aberto completo para “If, Why, and When Subjective Well-Being Influences Health, and Future Needed Research” por Ed Diener, Sarah D. Pressman, John Hunter e Desiree Delgadillo-Chase em Applied Psychology: Health and Well-Being. Publicado online 14/07/2017 doi:10.1111/aphw.12090″

Texto extraído e traduzido de Neuroscience News.

Sobre o autor Sara Matos

Psicoterapeuta e empreendedora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s