Uma das técnicas que trabalho em consultório é o Renascimento, que usa a respiração consciente para desbloquear memórias, principalmente as que são mais inconscientes. Hoje, já se sabe não só da importância da respiração para manutenção da vida, mas também para as emoções e memória. Veja aqui os achados dessa pesquisa divulgada no final de 2016 sobre a relação direta entre memória, emoções e respiração.

“Os cientistas da Northwestern Medicine descobriram pela primeira vez que o ritmo da respiração cria atividade elétrica no cérebro humano que aumenta o julgamento emocional e a recordação de lembranças.
 
Estes efeitos sobre o comportamento dependem criticamente se você inspira ou expira e se você respira pelo nariz ou pela boca.
 
No estudo, os indivíduos foram capazes de identificar um rosto com medo mais rapidamente se encontraram o rosto quando inspiravam em comparação com quando expiravam. Os indivíduos também eram mais propensos a se lembrar de um objeto se eles o encontraram enquanto inspiravam do que quando expiravam. O efeito desapareceu se a respiração fosse através da boca.
“Uma das principais descobertas neste estudo é que há uma diferença dramática na atividade cerebral na amígdala e hipocampo durante a inalação em comparação com a exalação”, disse a autora principal Christina Zelano, professora assistente de neurologia na Northwestern University Feinberg School of Medicine. “Quando você respira, descobrimos que você está estimulando neurônios no córtex olfatório, amígdala e hipocampo, em todo o sistema límbico”.
O estudo foi publicado em 6 de dezembro no Journal of Neuroscience. O autor sênior é Jay Gottfried, professor de neurologia em Feinberg.
Os cientistas de Northwestern descobriram primeiramente estas diferenças na atividade de cérebro ao estudar sete pacientes com epilepsia que tinham cirurgia de cérebro agendada. Uma semana antes da cirurgia, um cirurgião implantou eletrodos nos cérebros dos pacientes para identificar a origem de suas convulsões. Isso permitiu aos cientistas adquirir dados eletrofisiológicos diretamente de seus cérebros. Os sinais elétricos registrados mostraram que a atividade do cérebro flutuava com a respiração. A atividade ocorre nas áreas do cérebro onde as emoções, a memória e os cheiros são processados.
Essa descoberta levou os cientistas a perguntar se as funções cognitivas tipicamente associadas a essas áreas cerebrais – em particular processamento doo medo e da memória – também poderiam ser afetadas pela respiração.
A amígdala está fortemente ligada ao processamento emocional, em particular as emoções relacionadas ao medo. Assim, os cientistas pediram cerca de 60 indivíduos para tomar decisões rápidas sobre expressões emocionais no ambiente de laboratório, enquanto gravavam suas respirações. Apresentados com imagens de rostos mostrando expressões de medo ou surpresa, os sujeitos tinham de indicar, o mais rapidamente possível, qual emoção cada face estava expressando.
Quando os rostos foram mostrados durante a inalação, os sujeitos reconheceram-nas como medrosas mais rapidamente do que quando os rostos foram encontrados durante a expiração. Isso não era verdade para os rostos expressando surpresa. Estes efeitos diminuíram quando os indivíduos realizaram a mesma tarefa enquanto respiravam através da boca. Assim, o efeito foi específico para estímulos de medo apenas durante a respiração nasal.
Em um experimento destinado a avaliar a função da memória – ligada ao hipocampo – os mesmos sujeitos foram expostos a imagens de objetos em uma tela de computador e tinham que memorizá-los. Mais tarde, eles foram convidados a recordar esses objetos. Os pesquisadores descobriram que recordar era melhor se as imagens foram encontradas durante a inalação.
Os resultados implicam que a respiração rápida pode conferir uma vantagem quando alguém está em uma situação perigosa, segundo Zelano.
“Se você está em pânico, seu ritmo de respiração se torna mais rápido”, disse Zelano. “Como resultado você gastará proporcionalmente mais tempo inalando do que quando em um estado calmo. Assim, a resposta inata do nosso corpo ao medo com respiração mais rápida poderia ter um impacto positivo sobre a função cerebral e resultar em tempos de resposta mais rápidos para estímulos perigosos no ambiente.”
Outro insight potencial da pesquisa é sobre os mecanismos básicos de meditação ou respiração focada. “Quando você inspira, você está de certo modo sincronizando oscilações cerebrais através da rede límbica”, observou Zelano.”

Sobre o autor Sara Matos

Psicoterapeuta e empreendedora.

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s