Seja a mudança climática e suas conseqüências, a crise de refugiados ou a distribuição injusta da riqueza, quando se busca soluções para esses desafios globais, as decisões de indivíduos como sua disposição de cooperar e atos altruístas são tão importantes quanto os acordos internacionais ou regulamentos nacionais. Isso é o que os cientistas chamam de “comportamento pró-social”.

Psicólogos da Universidade de Würzburg e do Instituto Max Planck de Ciências Humanas Cognitivas e do Cérebro, em Leipzig, publicaram os resultados de um estudo longitudinal que investigou a influência de vários treinamentos mentais sobre o comportamento pró-social durante vários meses.

Publicação em Relatórios Científicos

Os resultados: “Conseguimos demonstrar que a pro-socialidade humana é maleável e que diferentes aspectos da pro-socialidade podem ser melhorados sistematicamente através de diferentes tipos de treinamento mental”, explica Anne Böckler-Raettig; Ela é professora júnior no Instituto de Psicologia da Universidade de Würzburg. Segundo ela, isso pode ser alcançado por meio de treinamentos que consistem em curtas práticas cotidianas, fáceis de implementar no dia a dia. Os cientistas publicaram os resultados de seu estudo na revista Scientific Reports do Nature Publishing Group.

“A pro-socialidade humana está no centro das sociedades pacíficas e é fundamental para enfrentar os desafios globais”, explica Böckler-Raettig. Comportamento pró-social é definido como um comportamento que é caro para o indivíduo e beneficia outros no nível individual ou de grupo. A pesquisa sobre cooperação e altruísmo tem sido o foco de muitas disciplinas, desde filosofia e psicologia até matemática e economia, biologia evolutiva e neurociência. No entanto, “surpreendentemente pouco se sabe sobre se e como as motivações altruístas humanas podem ser treinadas”, diz o professor júnior. Ela acredita que isso ocorre porque os modelos econômicos geralmente consideram a pro-socialidade como uma preferência social estável, cuja maleabilidade os cientistas consideram irrelevante por um longo tempo.

Treinando com diferentes focos

Os cientistas agora conseguiam provar que essa suposição estava errada. Ao longo de nenhum mês, os participantes foram treinados em diferentes tipos de treinamento mental baseado em meditação para esse propósito. Um módulo de treinamento foi sobre o aumento da atenção no momento presente e da consciência corporal – semelhante ao que é ensinado nas aulas de redução do estresse baseadas em mindfulness que são atualmente populares. Um segundo módulo focado em habilidades sócio-afetivas, como compaixão, gratidão e motivação pró-social. O terceiro módulo foi sobre a flexibilidade cognitiva e a capacidade de entender as perspectivas de outras pessoas.

“Estávamos principalmente interessados ​​em saber que treinamento mental seria eficaz para cultivar comportamentos motivados de forma altruísta, ou seja, um comportamento que é imediatamente direcionado para melhorar o bem-estar de outra pessoa”, detalha Anne Böckler-Raettig. Os resultados do estudo dão uma resposta clara a essa pergunta: apenas o segundo módulo, o chamado Módulo Afeto, teve um impacto direto na motivação dos participantes para buscar um comportamento altruísta. Após as unidades de treinamento, eles foram mais generosos, mais dispostos a ajudar espontaneamente e doaram maiores quantias para organizações de assistência social, por exemplo.

Um passo em direção a uma sociedade solidária

“Assim, o Módulo Afeto, que consiste em três dias introdutórios, reuniões semanais com professores e cerca de 30 minutos de prática diária ao longo de três meses, efetivamente impulsionou comportamentos altruístas, independentemente de como os exercícios foram combinados com outras práticas”, explica a psicóloga. diz. Nenhum desses progressos foi mensurável nos participantes após os dois outros módulos.

A conclusão que os cientistas desenham é clara: A motivação e o comportamento altruístas podem ser alterados por meio de práticas mentais simples, curtas e baratas. “Cultivar essas capacidades afetivas e motivacionais nas escolas, ambientes de saúde e locais de trabalho pode ser um passo eficaz para enfrentar os desafios de um mundo globalizado e avançar para a cooperação global e uma sociedade solidária”.

Fonte: Neuroscience News

Sobre o autor Sara Matos

Psicoterapeuta e empreendedora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s