Nos anos 70, Leboyer já falava de como o parto poderia influenciar a vida e as escolhas de qualquer ser humano. Ele afirmou e comprovou que o nascer sem dor e sorrindo é, não só possível, mas determinante para uma vida cheia de alegria e propósito. Hoje, os cientistas já comprovam que mudanças epigenéticas que acontecem no momento do nascimento podem afetar comportamentos de violência e vício.

“Mudanças epigenéticas presentes no nascimento – em genes relacionados ao vício e à agressão – podem estar ligadas a problemas de conduta em crianças, de acordo com um novo estudo do King’s College London e da Universidade de Bristol.

Os problemas de conduta, como brigar, mentir e roubar, são o motivo mais comum de encaminhamento do tratamento infantil no Reino Unido, custando cerca de £ 22 bilhões por ano. As crianças que desenvolvem problemas de conduta antes dos 10 anos de idade apresentam um risco muito maior de comportamento anti-social grave e crônico ao longo da vida, resultando em custos sociais adicionais relacionados ao crime, à dependência do bem-estar e às necessidades de cuidados de saúde .

Sabe-se que fatores genéticos influenciam fortemente os problemas de conduta, explicando entre 50 e 80 por cento das diferenças entre as crianças que desenvolvem problemas e aqueles que não o fazem. No entanto, pouco se sabe sobre como os fatores genéticos interagem com influências ambientais – especialmente durante o desenvolvimento fetal – para aumentar o risco de problemas de conduta posteriores.

Compreender as mudanças na metilação do DNA, um processo epigenético que regula a forma como os genes são “ligados e desligados”, poderia ajudar no desenvolvimento de abordagens mais eficazes para prevenir problemas posteriores de conduta.

O estudo, publicado hoje em Desenvolvimento e Psicopatologia, utilizou dados do Estudo Longitudinal Avançado de Pais e Crianças de Bristol (ALSPAC) para examinar as associações entre metilação do DNA no nascimento e problemas de conduta de quatro a 13 anos.

Os pesquisadores também mediram a influência de fatores ambientais previamente ligados ao início precoce de problemas de conduta, incluindo dieta materna, tabagismo, uso de álcool e exposição a eventos estressantes da vida.

Eles descobriram que, ao nascer, as mudanças epigenéticas em sete locais através do DNA das crianças diferenciaram aqueles que passaram a desenvolver início precoce versus aqueles que não o fizeram. Algumas dessas diferenças epigenéticas foram associadas à exposição pré-natal, como o tabagismo e o consumo de álcool durante a gravidez.

Um dos genes que mostraram as mudanças epigenéticas mais significativas, chamado MGLL, é conhecido por desempenhar um papel na recompensa, no vício e na percepção da dor. Isso é notável como pesquisas anteriores sugerem que os problemas de conduta geralmente são acompanhados por abuso de substância, e há evidências que indicam que algumas pessoas que se envolvem em estilos de vida anti-sociais mostram maior tolerância à dor. Os pesquisadores também encontraram menores diferenças em vários genes anteriormente associados à agressão e ao comportamento antissocial, incluindo MAOA.

O Dr. Edward Barker, autor sênior do King’s College London, disse: ‘Sabemos que as crianças com problemas de conduta de início precoce são muito mais propensas a se engajar em comportamentos anti-sociais como adultos, então este é claramente um grupo muito importante a ser observado por uma sociedade ponto de vista.’

A Dra. Charlotte Cecil, primeira autora do King’s College London, disse: ‘Nosso estudo revela importantes mudanças epigenéticas que diferenciam as crianças que desenvolvem problemas de conduta e aqueles que não o fazem. Embora esses achados não provem causalidade, eles destacam o período neonatal como uma janela potencialmente importante de vulnerabilidade biológica, bem como identificando novos genes para futuras investigações. Dado que o ambiente pós-natal também é crucial para o desenvolvimento das crianças, pesquisas futuras devem examinar se as experiências ambientais positivas podem ajudar a modificar essas mudanças epigenéticas’.”

Fonte: Neuroscience News

Sobre o autor Sara Matos

Psicoterapeuta e empreendedora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s